quinta-feira, 18 de outubro de 2007

"JOÃO ROBY" FILHO DA TERRA





João Borges de Faria Machado Pinto Roby de Miranda Pereira nasceu no solar de Infias em Braga a 30 de Dezembro de 1875. Filho primogénito de uma família de sete irmãos, frequentou o curso secundário no liceu de Braga e depois no colégio de Nossa Senhora da Glória no Porto, com um aproveitamento admirável (tanto em Ciências como em Letras evidenciou notáveis aptidões intelectuais sendo um dos seus principais centros de interesse a História de Portugal onde podia encontrar narrativas dos seus antepassados). Outra faceta curiosa e definida na mentalidade de João, foi sem dúvida a decidida disposição para a Marinha o que desde os verdes anos se manifestou quer nas suas brincadeiras quer nas leituras escolhidas e que veio a transformar-se em insofismável vocação.
Concluído brilhantemente o curso liceal, João dirige-se a Lisboa onde se matricula na Escola Politécnica a fim de tirar as indispensáveis cadeiras de preparatórios.
É a 7 de Novembro de 1890, ainda com 14 anos que vê realizado o sonho de entrada na Escola Naval, com a patente de aspirante de 2ª classe.
De todos os recém-alistados João era o mais franzino fisicamente o que por singular capricho do destino a este facto ficou devendo a mudança do nome com o qual se imortalizou.
A 3 de Novembro de 1894, foi promovido a aspirante de Marinha de 1ª classe.
Não se contentando com os lugares para que era nomeado na Metrópole ofereceu-se por diversas vezes voluntário para servir em África, que na altura era alvo de repetidas injúrias à nossa Soberania.
Em 1895 já como guarda-marinha prestou serviço na lancha-canhoneira Lacerda, pertencente à Esquadrilha de lanchas em Lourenço Marques. Em 1896, como subalterno da companhia de desembarque de Marinha, tomou parte activa da guerra dos Namarrais, acompanhando João de Azevedo Coutinho na célebre coluna de ataque no combate de Mugenga. Em 1898 é nomeado Chefe do Estado-Maior da Esquadrilha Fluvial de apoio à coluna de Marinha para Maganja da Costa. Ainda nesse ano exerceu interinamente o cargo de Intendente do Governo e Agente Consular do Niana, numa altura em que nessa região nos achávamos em difíceis condições. Aí distingue-se com bravura nas campanhas do Angoche e revela bem o seu temperamento de jovem herói, de rija têmpera, a quem o prestígio do seu país e o brio profissional são as únicas coisas que lhe merecem cuidado.
Em 1904 após três anos de permanência em África, aproxima-se a oportunidade de vir à metrópole descansar e refazer-se de violentas e demoradas operações militares.
Estava então habilitado à promoção a primeiro-tenente, que o aguardava em Lisboa. João Roby morre num trágico desastre de Umpungo: dos 499 homens, 254 morreram e desapareceram, dos quais 16 oficiais. Ninguem conseguiu reconhecer os restos mortais de João Roby, que aos 28 anos terminava a sua carreira heróica ao serviço da Pátria.
Possuia diversas condecorações, todas ganhas na linha de fogo, destacando-se as Medalhas de prata da Rainha D. Amélia, comemorativas das diferentes operações: Cavaleiro da Ordem de Torre e Espada; Oficial da Ordem de Torre e Espada.
Assim permanecerá sempre ao lado dos maiores e mais brilhantes vultos da História de Portugal o nome de João Roby.

Em cima encontra-se uma foto actual do navio da Marinha de Guerra Portuguesa

com o seu nome, F 487 N.R.P. "JOÃO ROBY"



2 comentários:

Luis Barata disse...

Mais um filho da briosa.
ainda bem que á alguem que se lembra dos poucos herois deste
grandioso país.
Parabens continua, e força para continuares com este excelente blog.

Anónimo disse...

Sou Bisneto de um dos oficiais do combate da Mugenga. Tenho uma foto dos oficiais que atuaram na batalha.
Sou Eduardo de Vasconcellos Correia Annunciato (Brasileiro).
e-mail: presidencia@fenatema.org.br

o mundo da blogosfera


ARQUITECTURA - Arqblog § A barriga de um Arquitecto § Atwarchitecture § Land 4us § O Despropósito § Palavras da Arquitectura § Posthabitat § Sapatos Vermelhos § Um Sitio FILATELIA - Adiafa Filatelia § Atms Portugal § Design e Filatelia § Filatelia Cubense § Filatelia e Gastronomia § Filatelicamente Centro § Marcas e Selos § Núcleo de Filatelia de Faro § Mundo Filatélico § Selos e Cartas FOTOGRAFIA - Momentos e Olhares § Imagenário § O Elogio da Sombra § Lusitanicus § Fotoben § .Blog § Arte Fotográfica § Da Janela § Arte Photographica § Grifo Planante § Um Olhar Sobre... LIVROS - Bibliotecário de Babel § Bibliotecas em Portugal § Balcão de Biblioteca § Da Literatura OPINIÃO -31 da Armada § 100 Nada § 5 Dias § A Aba de Heisenberg § A Curva da Estrada § A Máfia Portuguesa § A Barbearia do Senhor Luís § A Toupeira § A Voz do Povo § Abrupto § Adufe § Aguarelas Portuguesas § Amor e Ócio § Anarca Constipado § Arcadia § Arrastão § Aspirina b § Atlântico § Avesso do avesso § Bandeira ao Vento § Bairro do Amor 2 § Baixa Autoridade § Bananas da República § Bandeira ao Vento § Bicho Carpinteiro § Blogo Existo § Blogo Social Português § BloGotinha § Blue Lounge Cafe § Boa Sociedade § Bode Expiatório § Briteiros § Blasfémias § Blogue de Letras, Artes e Ideias § B-site § Bicho Carpinteiro § Berra-boi § Bitaites § Bidão Vil § Blue! § Blog Operatório § Blogaria Pegada § Bomba Inteligente § Blue Lounge § Blue Moleskin § Breviário das Coisas Breves § Blogue dos Marretas § Caixa de Pregos § Caminhos da Memória § Cantigueiro § Causa Nossa § Clube dos Pensadores § Corta Fitas § Câmara Corporativa § Câmara dos Comuns § Cão com Pulgas § Cacaoccino § Cheiro a Pólvora § Cachimbo de Magritte § Cão de Guarda § Cibertulia § Cinco Dias § Claras em Castelo § Coisas como elas são § ContraFactos § Coreia do Norte § Crítico § Crónicas da Terra § Crónicas do Professor Ferrão § Crónicas de Campanha § Coisas do Antigamente § Desesperada Esperança § Devaneios § Delito de Opinião § Diário da Barafunda § Dias que voam § Do Portugal profundo § Entre as Brumas da Memória § E Deus criou a Mulher § É tudo gente morta § Entre Deus e o Diabo § Escrita em dia § Erecções 2009 § Esquerda Republicana § Etceteras entre Tempos § Espelho Mágico § Fábrica Sombria § Filosofia de Curral § Fora dos Eixos § Filinto Melo § Foram-se os anéis § Fórum Comunitário § French Kissin'Frenesi § Forja de Palavras § Galo Verde § Geração Rasca § Governo Sombra § Gravidade intermédia § Grande loja do Queijo Limiano § Hoje há conquilhas amanhã não sabemos § Há Vida em Markl § Incontinentes Verbais § Ilhas § Imprensa Falsa § In a Lonely Place § Indústrias Culturais § Infinito Pessoal § Irmão Lúcia § Jugular § Jornalismo e Comunicação § Jazza-me muito § Kontrastes § Klepsydra § Kontratempos § Ladrões de Bicicletas § La Force des Choses § Ladrões de Bicicletas § Lâmpada Mágica § Lauro António Apresenta § Lei Seca § Léxico Familiar § Linha do Horizonte § Lilás com Gengibre § Linha dos Nodos § Local & Blogal § Lóbi do Chá § Loja de Ideias § Loucos de Lisboa § Ma-schamba § Machina Speculatrix § Malaposta § Manchas § Mania dos Quadradinhos § Mar Salgado § Margens de Erro § Melancómico § Meditação na Pastelaria § Mel com Cicuta § Memória Virtual § Miniscente § More all of me § Meninas e Moças, Cachopas e Gaijas § Mme Mean § Nu Singular § Nunca Mais § O Carmo e a Trindade § O Canhoto § O Diplomata § O País Relativo § O Regabofe § Orgia Literária § Papéis de Alexandria § Pedra do Homem § Ponto Media § Porta do Vento § Poço dos Negros § Rua da Judiaria § Ruas dos Bragas, 223 § Rui Zink § Sempre a Produzir § Sete Vidas como os Gatos § Somos Portugueses § The Sound of Silence § Tomar Partido § Umblogsobrekleist § Vida das Coisas § Vidro Duplo § Wehavekaosinthegarden § Zero de conduta §