segunda-feira, 12 de outubro de 2009

O ensino privado, é melhor do que o público, porquê ?

Conservatório de Música Calouste Gulbenkian

©J.F. São Victor

aspas2Apenas 87 das 1294 escolas do ensino básico tiveram média inferior a 2,5 (numa escala de 1 a 5) nos exames nacionais do 9º ano. No ano passado só tinham falhado este feito 38 escolas, mas em 2007 apenas 66 por cento conseguiram média positiva no conjunto das duas disciplinas sujeitas a exames, Língua Portuguesa e Matemática.Entre as dez escolas melhor posicionadas no ranking deste ano não figura nenhuma pública. A melhor entre estas é a escola do Conservatório de Música Calouste Gulbenkian, de Braga. Este estabelecimento, que está em primeiro lugar no ranking do ensino secundário, ocupa a 19º posição na listagem do básico. in: publico.clix.pt

aspas1

O fosso entre o ensino privado e o público, aumenta a cada ano que passa, onde quem tem dinheiro, põe os filhos a estudar em colégios privados, que, quer queiramos quer não, são melhores, pois têm melhores condições, como é lógico. Mas o que é que está mal no ensino público, será com certeza um pouco de tudo, desde os estabelecimentos de ensino, aos equipamentos em falta, que muitas das vezes seriam essenciais, para ajudar, num melhor desenvolvimento académico de muitas crianças, temos também que ver que numa escola pública, não há só meninos bem comportados, existe muita pobreza, crianças das mais variadas raças, que por vezes não se adaptam aos novos colegas de carteira, criando conflitos, ajudando a incentivar os maus comportamentos durante as aulas. Acredito que com esta espécie de “choque tecnológico académico”, consiga dar os seus frutos mas só daqui a alguns anos, mas existe aqui um factor importante, os professores, não temos só educadores bons, também temos professores fracos, que quando se dirigem para as salas de aula, já perderam a vontade pelo corredor. Quero com isto dizer que uma boa escola pública depende de muitos factores, e não, só dos professores. Existe aquele ditado que diz, se não os podes vencer junta te a eles, pois bem, porque não partilhar conhecimentos nesta área tão importante como é o ensino do futuro.

7 comentários:

Raquel disse...

é verdade...,
Mas no que respeita aos professores, penso que a muitos lhes falta a "vocação", tambem!

Anónimo disse...

Nada mais errado ver assim estes numeros...

Veja-se 2 turmas de 20 alunos:

Turma A privado: 20 alunos com notas entre 13 a 15 media de 14...

Turma B publico: 20 alunos dos quais 10 com notas de 20 e 10 com nota de zero, media 10.

A publica tem que aceitar TODOS os alunos o que lhe faz descer as notas.

Também a nivel de professores muitos do privado só lá estão porque não arranjaram lugar na Publica...

David disse...

O ensino privado não é melhor que o público, no máximo é igual. No ensino privado escolhem-se os alunos, ou seja, portam-se mal, corre-se com eles e no público tem de se aceitar toda a gente. Dizer que as condições do privado são melhores também é errado. Para estudar é preciso lápis, papel, livros e uma secretária, e isso existe no público. Ahhh e os professores do privado também não são diferentes do público. Basicamente a diferença é, infelizmente, para além da outra já referida, é o nível social das pessoas, que por motivos obvios baixa as notas dos alunos no ensino público. É também realçar que o ensino privado não tem só cabeças, muitas vezes até é o contrário, os miúdos lá levam uma lavagem cerebral e pensam que o mundo é perfeito e saiem inadaptados ao mundo cá fora. Leia-se faculdade.

Anónimo disse...

O ensino privado é melhor, pois os professores são obrigados a dar o seu melhor, caso contrário são dispensados. Não existem os chamados furos, e se um aluno estiver com dificuldades, os professores dão aulas de apoio de forma a garantir o sucesso do mesmo.
Acrescento ainda que os professores no privado são avaliados.

Anónimo disse...

Eu sou professora no ensino público e no privado. A grande diferença está nos alunos que temos na sala de aula. O meu filho frequentou o privado. Mas se não me faço entender explico melhor: Na periferia de Lisboa, a maioria dos alunos que frequenta o ensino público fá-lo por obrigação (a GNR vai buscar os alunos a casa, etc; o Rendimento Social de Inserção assim o obriga; etc) sem nunca pensar em retribuir ao estado português o investimento que é feito. Deixem-se de dúvidas. Eu consigo ver a diferença entre os alunos do privado e os que aturo no público. Acrescento, afirmando que não é por falta de condições que o público funciona mal. Pelo contrário. Nos dias de hoje a escola estatal está bem equipada. É o público que difere. E de que maneira... Responsabilizem as famílias (que demonstram falta de capacidade de educar e de fazerem respeitar os adultos) e os alunos. Exijam e vão ver que a escola pública também começa a ter bons resultados. Exigência, rigor e trabalho nunca fizeram mal a ninguém A estatística para estranja ver, irá hipotecar o futuro de todos a longo prazo. Deixo uma máxima de Einstein: “O único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário”. Deixem-se de culpar a escola e os professores (que têm revelado grande capacidade de resistência, de trabalho e de empenho). Avaliem as situações com elevação de carácter e sejam justos. Termino dizendo que se alguém se melindrou com o meu comentário é porque a carapuça serve.
Cristina Martins

Filipe Araújo disse...

Os rankings de escolas são a coisa mais falsa que existe, e transforma dois factos completamente díspares em comparáveis. Vejo alguém em cima que disse que no privado é melhor pois não existem furos, pois os alunos tÊm aulas de apoio e porque os professores são avaliados. Deixe-me dizer-lhe então o quanto enganado está, e o quanto é o seu desconhecimento do sistema de ensino público: existem aulas de substituições no ensini público, os alunos com necessidades têm aulas de apoio a várias disciplinas, e por fim, também os professores são e sempre foram avaliados. Nem sempre nos devemos ficar por propaganda ministerial. Quanto à comparação dos resultados entre as escolas públicas e as escolas privadas, basta referir o facto que as privadas podem selecionar, e seleccionam, os melhores, os mais disciplinados, entre outros factores, e na pública, não. Existem muitos factores, mas este é o principal, e como é óbvio, se houver um pouco de bom senso, percebe-se como esta comparação de rankings é estéril.

Anónimo disse...

Este ano a minha Filha entrou para o ensino Básico Público...fiquei chocado! Durante o 1º Mês percebi que havia diversas deficiencias para mim graves que me levou a mudá-la para o privado.
Após análise cuidada da escola mediante reunião com a coordenação e Ass. de Pais, percebi que os meios humanos, técnicos e Pedagógicos eram ecassos e insuficientes a somar a falta de Know How acumulado, falta de capacidade de resposta face aos Equipamentos e a questões pedagógicas, auxiliares fracas e sem habilitações, numero excessivo de alunos, falta de vigilância nos recreios, falta de sentido de justiça, equidade e pedagogia na gestão dos inumeros casos de indisciplina entre as crianças, falta de tempo de qualidade no ensino em aula, falta de materiais auxiliares de ensino, salas despidas e sem estímulos de Ambiente escolar (Mapas de Portugal, Mapas mundo, Abecedários, etc), tudo se resume aos livros. Falta de flexibilidade de horários, entre outras questões socialmente problemáticas.

Desta forma faço um esforço enorme para poder tomar a decisão de optar pelo ensino privado, investindo numa educação adequada e com condições para a minha filha, mas há quem não o pode fazer...que tristeza o direito á educação que o nosso país oferece!

PS. Senti que o ingresso na 1ª classe com estas condições foi uma decepção para a minha filha!
Isto é algo que nos deveria pôr a pensar!

Cumprimentos,

o mundo da blogosfera


ARQUITECTURA - Arqblog § A barriga de um Arquitecto § Atwarchitecture § Land 4us § O Despropósito § Palavras da Arquitectura § Posthabitat § Sapatos Vermelhos § Um Sitio FILATELIA - Adiafa Filatelia § Atms Portugal § Design e Filatelia § Filatelia Cubense § Filatelia e Gastronomia § Filatelicamente Centro § Marcas e Selos § Núcleo de Filatelia de Faro § Mundo Filatélico § Selos e Cartas FOTOGRAFIA - Momentos e Olhares § Imagenário § O Elogio da Sombra § Lusitanicus § Fotoben § .Blog § Arte Fotográfica § Da Janela § Arte Photographica § Grifo Planante § Um Olhar Sobre... LIVROS - Bibliotecário de Babel § Bibliotecas em Portugal § Balcão de Biblioteca § Da Literatura OPINIÃO -31 da Armada § 100 Nada § 5 Dias § A Aba de Heisenberg § A Curva da Estrada § A Máfia Portuguesa § A Barbearia do Senhor Luís § A Toupeira § A Voz do Povo § Abrupto § Adufe § Aguarelas Portuguesas § Amor e Ócio § Anarca Constipado § Arcadia § Arrastão § Aspirina b § Atlântico § Avesso do avesso § Bandeira ao Vento § Bairro do Amor 2 § Baixa Autoridade § Bananas da República § Bandeira ao Vento § Bicho Carpinteiro § Blogo Existo § Blogo Social Português § BloGotinha § Blue Lounge Cafe § Boa Sociedade § Bode Expiatório § Briteiros § Blasfémias § Blogue de Letras, Artes e Ideias § B-site § Bicho Carpinteiro § Berra-boi § Bitaites § Bidão Vil § Blue! § Blog Operatório § Blogaria Pegada § Bomba Inteligente § Blue Lounge § Blue Moleskin § Breviário das Coisas Breves § Blogue dos Marretas § Caixa de Pregos § Caminhos da Memória § Cantigueiro § Causa Nossa § Clube dos Pensadores § Corta Fitas § Câmara Corporativa § Câmara dos Comuns § Cão com Pulgas § Cacaoccino § Cheiro a Pólvora § Cachimbo de Magritte § Cão de Guarda § Cibertulia § Cinco Dias § Claras em Castelo § Coisas como elas são § ContraFactos § Coreia do Norte § Crítico § Crónicas da Terra § Crónicas do Professor Ferrão § Crónicas de Campanha § Coisas do Antigamente § Desesperada Esperança § Devaneios § Delito de Opinião § Diário da Barafunda § Dias que voam § Do Portugal profundo § Entre as Brumas da Memória § E Deus criou a Mulher § É tudo gente morta § Entre Deus e o Diabo § Escrita em dia § Erecções 2009 § Esquerda Republicana § Etceteras entre Tempos § Espelho Mágico § Fábrica Sombria § Filosofia de Curral § Fora dos Eixos § Filinto Melo § Foram-se os anéis § Fórum Comunitário § French Kissin'Frenesi § Forja de Palavras § Galo Verde § Geração Rasca § Governo Sombra § Gravidade intermédia § Grande loja do Queijo Limiano § Hoje há conquilhas amanhã não sabemos § Há Vida em Markl § Incontinentes Verbais § Ilhas § Imprensa Falsa § In a Lonely Place § Indústrias Culturais § Infinito Pessoal § Irmão Lúcia § Jugular § Jornalismo e Comunicação § Jazza-me muito § Kontrastes § Klepsydra § Kontratempos § Ladrões de Bicicletas § La Force des Choses § Ladrões de Bicicletas § Lâmpada Mágica § Lauro António Apresenta § Lei Seca § Léxico Familiar § Linha do Horizonte § Lilás com Gengibre § Linha dos Nodos § Local & Blogal § Lóbi do Chá § Loja de Ideias § Loucos de Lisboa § Ma-schamba § Machina Speculatrix § Malaposta § Manchas § Mania dos Quadradinhos § Mar Salgado § Margens de Erro § Melancómico § Meditação na Pastelaria § Mel com Cicuta § Memória Virtual § Miniscente § More all of me § Meninas e Moças, Cachopas e Gaijas § Mme Mean § Nu Singular § Nunca Mais § O Carmo e a Trindade § O Canhoto § O Diplomata § O País Relativo § O Regabofe § Orgia Literária § Papéis de Alexandria § Pedra do Homem § Ponto Media § Porta do Vento § Poço dos Negros § Rua da Judiaria § Ruas dos Bragas, 223 § Rui Zink § Sempre a Produzir § Sete Vidas como os Gatos § Somos Portugueses § The Sound of Silence § Tomar Partido § Umblogsobrekleist § Vida das Coisas § Vidro Duplo § Wehavekaosinthegarden § Zero de conduta §